Eu leio, logo existo

Eu gosto muito de ler.
Aprecio profundamente a aura de silêncio que nos envolve ao entrar num enredo literário. Aquela sensação de desprendimento tão grande da realidade que – talvez – muitos não notem um meteoro atingindo o planeta ou qualquer outro evento indicador do apocalipse.
Gosto do fato de uma história se desenvolver melhor em duas horas de leitura se comparadas com duas horas vendo o filme. Não me entenda mal: amo filmes; assisto aos filmes baseados em livros que já li (e vice-versa), mas prefiro a estrutura dinâmica dos livros.
Não importa a tipografia, cor das páginas, se os capítulos são numerados ou nomeados com títulos. Não ligo para número de páginas, idioma em que foi escrito originalmente e com qual propósito (um livro precisa de um objetivo específico?). Nem discuto tópicos como a falta de praticidade dos ebooks. Se a trama for envolvente e agradável: lerei.
Quando pensei em rascunhar este pequeno post lia uma passagem de um livro em que a heroína questiona a própria sanidade, pois havia largado carreira, amigos e família só para ir atrás de algo que a interessava por “n” razões (e muito provavelmente por causa de uma aventura). Isto me fez lembrar que meu pai fez o mesmo quando jovem (e somente devido a tal “loucura” é que existo). Basicamente a epifania que me atingiu aqui foi que tenho exemplos nos livros e na vida real sobre pessoas que tomaram as rédeas do destino e fizeram o que bem entenderam. E eu não. Eu estou aqui: presa, parada, enfim, puritanamente perdida do que eu poderia ser.
Quero dizer, se você crê em vidas preestabelecidas, e neste contexto imaginar que eu deveria me tornar uma grande artista circense no Canadá ou guia turística em alguma ilhota japonesa, pode considerar também que não tenho feito nenhum esforço para tentar descobrir o que há de melhor em mim.
Conformada (resignada), permaneço silente (fora este breve desabafo) aqui neste mesmo bat-país, leio.
Que a leitura me leve pra longe daqui…

Anúncios

Um comentário sobre “Eu leio, logo existo

  1. Duas horas de leitura, normalmente, são inesquecíveis. Excessão para 40 tons de cinza. 2 horas de filme, normalmente, são 2 horas de filme.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s