Condessa

As coisas andam tão complicadas nos últimos tempos que me sinto como uma prisioneira em If.

A diferença é que o Dantés conseguiu fugir. E se vingou sendo um filantropo anônimo.

Cadê a ilha do tesouro quando a gente precisa dela?

 

Intimidade indesejada

Posso falar com ciência sobre o tema casas porque já habitei 14 delas nestes 26 anos de vida. Já morei em 3 estados diferentes da federação e entendo mais do que gostaria sobre mudança. Em algumas fiquei mais tempo que em outras; algumas fazem parte de doces memórias afetivas. Este post é sobre a décima quarta.

É um sobrado meigo, murado, relativamente afastado, mas tem outros dois prédios gêmeos ligados a ele. E as paredes são finas demais.

Qual o problema? Sei coisas demais sobre meus vizinhos. Algumas destas informações são íntimas demais até pra quem divide a cama, quiçá entre vizinhos!

E, se eu ouço contra a minha vontade, não quero sequer imaginar o resultado pra quem tenta.

Resenhei: Heist Society (Ally Carter) – Parte 2

13580928

“Parte 2” porque já falei da série aqui no blog, mas a resenha é sobre o terceiro livro: Perfect Scounderls.

Neste livro Ally Carter revela que não marca bobeira e sabe dar um ar mais profundo e sombrio aos seus personagens.

Sinopse: A empresa e a família de Hale têm uma grande perda: a matrona Hazel falece e supostamente deixa tudo para o neto sob representação do advogado, Garret, até a maioridade do rapaz. Ocorre que uma antiga amiga e empregada da mulher sabe que o testamento não era bem assim e contrata Kitty Kat para encontrar o verdadeiro documento e fazer valer a última vontade de Hazel.

Sendo sincera, o que me atraiu na saga foi a leveza – que aqui se perdeu -, daí minha ligeira decepção. Ok, exagero. As coisas não ficaram assim tão dramáticas, porém não houve nada tão grandioso. Esperei um grande golpe, mas o plano foi precocemente desmascarado e a parte mais relevante foi meio previsível (o final). A figura que poderia ter um maior impacto na trama (Nat) foi pouco valorizada.
Pensando bem, caso o livro fosse um pouco mais extenso, estes pontos talvez tivessem sido melhor desenvolvidos. A ideia geral foi que esta história foi pautada num enredo mais maduro, entretanto deveras condensado.
Senti a injustiça do universo ao ler tudinho e ainda não saber o nome do Hale.
Então, resumindo, 2 estrelas no Skoob. Contudo, mantenho meu desejo de que isso vire série de tv. Curtirei horrores!

Manjo de biogenética

Não entendo a razão da demora dos cientistas em descobrir o modo de fabricar sinteticamemte a vida humana.

Questões morais à parte, basta unir a necessidade de afirmar o óbvio (o que Douglas Adams já disse há éons) com uma presunção descomunal. Pronto! Vida humana de proveta e 100% sintética.

Uma ode às Barbies.